Regular  |   Esportivo
Atividades Esportivas
Kendo

Kendo, significa “O Caminho da Espada” e é a esgrima tradicional do Japão, foi desenvolvida a partir das técnicas do Kenjutsu, antiga arte marcial cultivada pelos samurais.

No Japão, a espada (Katana) é considerada a mais nobre das armas, era considerada a “alma” do samurai.

Hoje em dia o Kendo é praticado como esporte, combinando valores marciais com o espírito esportivo.

A sua prática requer o uso de espadas feitas de tiras de bambu (shinai) e uma armadura (Bogu), ambas desenvolvidas para proteger a integridade física dos praticantes.

O praticante de Kendo (Kendoka) deve se comportar com educação e respeitar o mestre (Kenshi) e os colegas, assim como cultivar a humildade.

A prática desta arte marcial é saudável e requer muita disciplina. Através dela, aprende-se o cultivo da humildade, do bom caráter e do respeito ao próximo.

Grade de treinamentos:

Quarta-feira:
18:30h às 20:30h (Kendo)
Sexta-feira:
18:30h às 20:30h (Kendo)
Sábado e Domingo:
10:00h às 12:00h (Kendo)

Kendo

Introdução

O Kendo é uma arte marcial Japonesa cujo nome significa “Caminho da Espada” (KEN = Espada; DO = Caminho). Por caminho podemos entender um conjunto de práticas, técnicas e regras de conduta moral. Deste modo, o Kendo apesar de ter presente em si o aspecto competitivo e esportivo presente em muitas outras formas de luta e artes marciais, não se resume a apenas essa esfera da prática. É mais do que isso! É um verdadeiro Caminho (DO) de busca do aperfeiçoamento humano em todas as suas dimensões. Nas palavras de um grande mestre de Kendo e Iaido, “o Kendo é o caminho/busca do crescimento/aprimoramento humano por meio do aperfeiçoamento do manejo/uso da espada”... etem como objetivo, “poder servir, com amor, à pátria e à sociedade, promovendo a paz entre as pessoas”.  

Origem

Como origem, o Kendo evoluiu da antiga arte marcial Samurai denominado genericamente por Kenjutsu, ou a arte do uso da Katana, a espada dos Samurais. Desta forma, é intrínseco ao Kendo, ainda hoje, o aspecto fortemente marcial original da antiga arte da esgrima japonesa, o que faz do Kendo uma arte marcial altamente vigorosa tanto física quanto psicologicamente.

A Essência do Kendo

Em Kendo, apesar do aspecto físico e técnico estar fortemente presente, treina-se muito mais do que essa faceta externa da arte marcial. O Kendo visa, através de técnicas objetivas do uso da espada, treinar os praticantes (kenshis) a superar os quatro obstáculos mentais considerados as quatro fraquezas, ou “armadilhas” ou ainda “venenos” que habitam freqüentemente a mente do ser humano: o medo, a dúvida, a surpresa e a confusão.

No Kendo a prática (treino ou keiko em japonês) inicia-se com “Rei” e finaliza-se com “Rei” (pronuncia-se o “r” como em “arara”). A palavra “Rei” além de significar cumprimento, saudação ou reverência, a alguém ou a um altar, possui neste caso também um significado mais profundo. Esse significado contempla o conceito de “Reigi” que em japonês significa disciplina, respeito, correta conduta para se agir frente as mais diversas pessoas, situações e ambientes. Este conceito, ou atitude, é profundamente valorizada e arraigada na cultura japonesa, e por isso mesmo permeia toda a prática do Kendo. Tal atitude desejada em todas as nossas ações é buscada persistentemente pelos praticantes do Kendo e está presente em todos os treinos dessa arte. Tal característica faz do Kendo uma das artes marciais japonesas que mais preserva a essência do Budo (Caminho Marcial japonês) e da própria cultura japonesa.

A Prática

Um treino ou aula de Kendo começa com os senseis (mestres) e kenshis (alunos) perfilados frente a frente. Após um comando todos se sentam em seiza (forma de sentar-se mantendo a coluna ereta), após o que por alguns momentos todos permanecem em estado de meditação (Mokuso) buscando a serenidade da mente e do corpo. Só então após novo comando, todos fazem a saudação “Rei”, que se repete aos senseis e depois aos companheiros de treino, e colocam o equipamento de proteção (Men e Kotê) que completa a armadura típica usada no Kendo. Agora, todos estão prontos para o treino...

Na prática do Kendo usa-se uma espada reta de bambu denominada shinai, formada por 4 varetas de bambu unidas por partes de couro, e uma armadura de proteção (bogú) inspirada nas antigas armaduras dos samurais (Yorói). O bogú é formado por 4 peças: Men (elmo de proteção da cabeça e garganta), (proteção para peito e abdomen), Tarê (proteção pélvica) e Kotê (luvas de proteção para mãos e antebraços). O bogú é usado sobre um traje tradicional, típico dos homens japoneses e dos antigos Samurais formado por duas peças: o keikogi ou kendogi (lê-se “keiko/kendogui” que é basicamente igual aos chamados no ocidente genericamente de “kimonos” como o de Judô ou do Karatê); e o hakamá (espécie de “saia-calça” larga com longas pregas que lhe dão o aspecto de uma saia longa que chega até os tornozelos).

No Kendo, além da luta propriamente dita usando os shinais, há também a prática de katas (seqüências de formas pré-definidas) em dupla, que simula uma luta real com katanas. Nos katas, que no Kendo são em número de dez no total, usam-se espadas de madeira (bokutos), que são réplicas das katanas.

Na sua forma externa o Kendo é uma forma de esgrima rápida e vigorosa caracterizada por golpes objetivos e pelo uso do kiai, “grito” que manifesta a força ou energia interior do lutador, denominada Ki em japonês. Os golpes no Kendo visam atingir a cabeça (Men), a garganta (Tsuki = estocada frontal), o abdômen () e os pulsos (Kotê), e numa luta (Shiai) vence quem marcar primeiro dois pontos (dois golpes válidos) em combates que podem variar de 3 a 8 minutos de duração dependendo do campeonato, sendo 3 a 5 minutos o mais comum. Ao final desse tempo, havendo um empate a luta segue sem limite de tempo até um dos lutadores marcar um golpe (ponto) válido. Entretanto, vencer um combate não é o principal objetivo e sim “fazer o seu melhor” entregando-se de corpo e alma ao combate de forma sincera. Assim, na prática do Kendo não há vencedores e perdedores, mas sim companheiros no mesmo caminho de aperfeiçoamento pessoal, e como tal, cada luta, cada treino, deve terminar da mesma forma sempre, com “Rei”, o profundo respeito e reverência entre os kenshis.

Seguem as fotos dos equipamentos e vestimentas do Kendô






topo