Regular  |   Esportivo
MOTITSUKI

Mochitsuki trazendo sorte

Como socar mochi traz sorte conforme tradição japonesa, a Associação Nikkei do Rio de Janeiro realizou mais uma vez seu Mochitsuki em 18 de dezembro de 2016, na sede da Rua Cosme Velho, 1166. É trabalhoso em todas as etapas da confecção, exigindo esforço e força física para socar o mochigome, arroz glutinoso, mas tudo é feito com grande satisfação. E também necessita de habilidade pois, para o arroz não grudar no masu, pesado martelo de madeira, é preciso grande sintonia com quem molha e vira a massa no usu, pilão de madeira ou pedra. O presidente da Rio Nikkei, Minoru Matsuura, cumpriu sua parte de socar mochi além de receber o presidente da Renmei- Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira do Estado do RJ, Akiyoshi Shikada, convidados, associados e visitantes.  

Os bolinhos foram feitos com habilidade pelo Fujinbu Rio Nikkei e colaboradoras. O ponto de cozimento foi comandado pela diretora Noemi Katayama que, desde o dia anterior, deixou o arroz de molho. Depois de pronto, o mochi foi somado aos demais ingredientes do ozooni, prato tradicional de Ano Novo, que foi antecipado com nato e nabo ralado. Parece ser fácil - modelar e cortar porções da massa com a pressão das mãos - vendo fazer a primeira dama da Renmei, Sanae Shikada, as senhoras da Rio Nikkei, as voluntárias sênior e jovem da JICA, Fumiyo Sakamoto e Yayoi Tanaka.

Após o treino regular de Sumô, em outra dependência da associação, estiveram no evento os sumotori Daniel Guedes e Mário Nakayama, pai da Mariana Sayuri, também sumotori e artista plástica, que foi conhecer como se faz mochi. No andar superior, praticantes de Kendô Kenyukai Rio de Janeiro, fizeram seu aprimoramento com sensei Toshinobu Endo e sensei Toshihiko Tsutsumi.

Texto e fotos de Teruko Okagawa Monteiro

1) Amassando mochigome.

2) Socando mochigome.

3) Confeccionando mochi.

4) Convidados, associados e visitantes.

5) Mochi com nato e no ozooni.

6) Arrumação.

7) Kendô no domingo.

topo